sábado, 9 de junho de 2007

Dentro do arco-íris...

São Paulo realiza neste dia 10 de junho a sua 11º Parada do Orgulho GLBT, mais conhecida como Parada Gay. Nesta época de maior parada do mundo, a cidade veste as cores do arco-íris. Precisa ser muito insesível para não sentí-las.
Divulgo um texto de Luiz Caversan que saiu publicado hoje na Folha de S.Paulo. O texto fala por si só.

09/06/2007
Orgulho de ser o que é

Minha mãe não sabe, se soubesse ia chorar muito. Meu pai? Me mataria muito! Quer dizer, me mataria, porque matar é matar, muito ou pouco, não importa. Meu irmão desconfia, porque já tentou duas vezes dar em cima de amigas minhas e se deu mal, elas não estavam nem aí com ele. Já comigo...

Fui sempre assim, e tem gente que ainda fala que é uma "opção". Opção a gente opta, e eu nunca optei por gostar de mulher. Apenas gosto. E não gosto só de sacanagem, não, é gostar do carinho, do afeto, entende?, da alegria que elas têm e que eu tenho, da vontade de ficar juntas, da amizade e da solidariedade, do bom caráter, porque mau caráter pode ser gay, lésbica ou macho pacas que eu quero distância...

Meu pai e minha mãe, que são "normais", estão juntos há 40 anos e são absolutamente infelizes, de que adianta essa normalidade e esse estar certo hipócrita?

Se é assim, eu estou errada mesmo e pronto, dane-se.

Agora é mais fácil, as coisas evoluíram e embora ainda tenha muita gente ignorante que faz questão de não entender, de achar que é pura promiscuidade e malandragem, muitas outras pessoas entendem ou pelo menos nos aceitam. A mim têm que aceitar mesmo, porque eu sou independente, bem sucedida profissionalmente e, modéstia à parte, muito bonita --você não acha?

Não sou masculinizada, ao contrário me considero bem feminina, mas tenho amigas tipo "caminhoneira" que no fundo são uns doces, assim como há muito homem bruto pra fora e extremamente sensível por dentro. Mas essas amigas tipo "mulher macho" também não são assim porque querem, são porque são, oras. Exageros? Claro que tem exagero. Quanto tempo essas moças foram reprimidas, hostilizadas, segregadas? No fundo tentam compensar anos e anos de preconceito. Mas o que você tem a dizer sobre esses caras tipo pitboys, bombados e tatuados? E as peruas botocadas e vestidas com grife dos pés à cabeça e que dão em cima de garotões nos bares da vida? Não são exageradas também?

Meu caro, a vida é curta, curta a vida, viva e deixe viver, como se dizia na Bahia anos atrás. Vai amanhã lá na Pagada Gay pra ver que lindo. Serão milhares de pessoas exibindo sua alegria de viver --e otras cositas más, mas e daí, os heteros não exibem quase tudo no Carnaval e na praia e ninguém não está nem aí?

Ficar chocado não vai ajudar a entender.

Aliás, não há muito o que entender, porque o processo de entendimento está em pleno processo, sacou?

E o mais importante agora é a consciência de a gente ser o que é e, ao invés de vergonha, ter orgulho de ser. Tenho orgulho de ser uma homossexual feminina e acho sinceramente que se os homens heteros tivessem orgulho de serem assim e as mulheres também, esse mundo seria muito, muito melhor.

(Depoimento de uma amiga linda e absolutamente resolvida, que veio a São Paulo para, com muito orgulho, participar da Parada Gay)


Luiz Caversan, 50, é jornalista. Foi repórter especial, diretor da Sucursal do Rio da Folha e editor do caderno TV Folha. Escreve crônicas sobre cultura, política e comportamento aos sábados para a Folha Online. Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/pensata/ult513u303107.shtml

Um comentário:

simplify disse...

Não tenho por habito comentar blogs. Mas apreciei muito o seu post. Texto simples mas directo. Transmite muito bem a sua mensagem.. Gostei muito e concordo com tudo. (Se bem que não penso que sejam necessárias certas exibições públicas de "amor" - vindas de qualquer tipo de casal. Ha que saber quais sao os limites e respeita-los para poder viver em sociedade. Presenciei uma parada gay em Amesterdão e pareceu-m com certeza exagerado... e julgo que, em parte, essa exibiçao puramente sexual que se ve nas paradas gay contribuem para a homofobia - que é o mesmo que dizer incompreensão. é crucial que mais depoimentos como o seu surgam, que mostrem que é uma questão de amor, de felicidade, de harmonia e de aceitaçao pessoal e não apenas uma satisfação/impulso sexual momentãneo)

parabens pela sua coragem e pelo seu curto mas fantástico texto que consegue dizer tudo com tão poucas palavras! :)

frases a reter:

"Meu pai e minha mãe, que são "normais", estão juntos há 40 anos e são absolutamente infelizes, de que adianta essa normalidade e esse estar certo hipócrita?"

"Ficar chocado não vai ajudar a entender."

Cá, em Portugal, a questão é ainda um tabu.. nunca vi um casal homossexual na rua, não me recordo de haverem iniciativas para promover a aceitaçao e evitar a homofobia e é triste perceber que estas pessoas não sao vistas como PESSOAS mas sim como o "homossexual", o "gay", a "lesbica" ou o "paneleiro" (palavra usada muitas vezes para insultar alguem).. é triste observar que a nossa sociedade está moldada nesta fôrma de descriminação e rejeição social.
O casamento entre pessoas do mesmo sexo começa agora a ser discutido na Assembleia da República (de Portugal) e os programas telivisivos da tarde aproveitam para abordar este tema (que infelismente nunca fora abordado) e é chocante ver pessoas a telefonarem para esses programas e dizerem que não aprovam o casamento entre pessoas do mesmo sexo porque "não é normal", "é estranho", "é contra a religiao", ou simplesmente "porque não". é chocante ser abordada por Testemunhas de Jeová e elas dizerem que são contra porque "duas mulheres ou dois homens não podem ter filhos. não podem procriar". Ora, os padres também não podem constituir família e procriar e esse estilo de vida é imposto pela própria igreja. é revoltante ver o Papa Bento XVI referir, entre outras barbaridades, que as relações entre pessoas do mesmo sexo "são anti-naturais", "vão contra a natureza e a ordem natural". Estas declaraçoes tornam-se ainda mais ridículas quando se toma conhecimento de que sao inúmeros os animais que "acasalam" com animais do mesmo sexo e que isso é fundamental para a estabilidade e equilibrio do Planeta.


enfim, já me estou a alongar!! Como eu digo, acreditar numa religião mais do que no amor é ignorar o amor.

obrigada pelo seu texto e sua coragem!! o mundo precisa de pessoas como voce. : )

Beijinhos *