terça-feira, 5 de junho de 2007

O mundo Pré-pós-tudo de Zélia Duncan... e meu também!


Domingo, 03 de junho de 2007, SESC Pinheiros.

Pela quarta vez, acompanhei um show da turnê Pré-pós-tudo-bossa-band, de Zélia Duncan. Dessa vez, eu fui assistir, com um sabor diferente, o lançamento do DVD homônimo. DVD este, gravado e acompanhado por mim, também aqui em São Paulo, em outro teatro, o do Auditório Ibirapuera, dia 18 de novembro de 2006.

Zélia Duncan apareceu na minha vida há cerca de dois anos. Antes, eu já havia escutado falar nela, cantado seus sucessos radiofônicos "Catedral", "Alma", "Enquanto durmo" etc., porém, nunca tinha parado para escutar suas idéias através das músicas e, tampouco, me lembro de ter acompanhado uma matéria sobre sua carreira, seja no rádio, tv, revistas ou jornais.

Há dois anos, no entanto, a cantora revelou-se para mim numa entrevista concedida para o extinto programa "Dois a um", apresentado por Mônica Waldvogel, em que ela divida a bancada com Ney Matogrosso. Fui atrás de Ney e encontrei Zélia. No dia seguinte, estupefato com aquela artista que, durante vários momentos disse exatamente o que eu pensava e sentia na época, me levou a buscar seus discos, escutá-los, ouvir o que ela tinha para dizer.

O cd que me caiu nas mãos de cara foi o Eu me transformo em outras - o sexto trabalho da carreira, que havia começado como Zélia Cristina, e que, agora, bancado pela própria artista, multifacetava seu repertório, resgatando canções da década de 30, 40 e 50, mesclando-as a compositores contemporâneos, como Luiz Tatit, Tom Zé e Itamar Assumpção. O disco, na minha opinião, é um clássico. Me arrebatou imediatamente.

Porém, este não era mais seu disco de trabalho. Na ocasião, ela já estava mergulhada no projeto Pré-pós-tudo-bossa-band. Vinha para São Paulo para divulgá-lo e lá estava eu na fila do ingresso da casa de shows Tom Brasil, já tendo comprado todos os discos da carreira em apenas um mês. Estava tendo overdose de Zélia Duncan, como se nesse pequeno espaço de tempo, eu pudesse resgatar o espaço de quase 25 anos de carreira dela, perdidos nos meus quase 25 de idade.

O Show, como o cd, foi também arrebatador. Numa linguagem moderna, num visual onde, apesar das cores fortes, possuía um ar meio dark, com um repertório que mesclava a sensação de sentar e pensar com a de levantar e pular, e gritar, o show se fazia. Durante esses quase dois anos da turnê, o show ainda se faz.

Como se não bastasse tudo, Zélia, como diz quase todos os seus admiradores, é a cantora mais fofa do universo, com uma simpatia impar, capaz de amolecer os corações mais duros. Ela joga com todo o potencial: inteligência, sensualidade, bom humor, mas essencialmente demonstra paixão pelo que faz.

Hoje, quase dois anos depois, acredito que sou incapaz de fazer uma crítica da sua obra sem ser imparcial. Estou mergulhado com a alma no seu trabalho. Se me perguntarem isso ou aquilo dela, digo que é ótimo e ponto final. Sua obra me completa. Foi Zélia que me apresentou Itamar Assumpção e me levou a conhecer melhor a obra de Ná Ozzetti, Alzira Espíndola, Alice Ruiz, Paulo Leminski, Luiz Tatit, Zé Miguel Wisnik etc.. Foi Zélia que me aproximou de uma das minhas melhores amigas, a Karina, e me fez conhecer um outro tanto de gente muito bacana que curte e respeita muito sua obra. Foi com Zélia que surgiu uma outra grande paixão na minha vida, a maior de todas, made in Rio, que me ajudou, inclusive, a entender melhor seu trabalho. Foi com Zélia que me transmutei em outros, me transbordei em outros e me transformei em outros. E com ela também me tornei um mutante, quando, a despeito de tudo e de todos, ela me mostrou que ousar é necessário.

Seu DVD Pré Pós Tudo Bossa Band - O Show sai financiado pelo seu selo, Duncan Discos - criado na época do Eu me transformo. É um show lindo, com participação de Hamilton de Holanda e Anelis Assumpção, que vem sendo hiper bem recebido pela crítica e pelo público. Mais um clássico pop que, tenho certeza, como todo clássico, será louvado daqui a algumas gerações.

Enfim, se você que ler isto ainda não conhece Zélia Duncan, vá atrás. Dispa-se dos preconceitos dos sucessos radiofônicos. Zélia Duncan é muito mais que um ou dois sucessos. É um exemplo do que é fazer arte no mundo pré-pós-tudo.

Depois que Vinícius e eu dissemos que estávamos presentes na gravação do DVD, ela intuiu nossa história e minha história com ela e escreveu: "Esse é nosso!". Talvez seja mesmo...

11 comentários:

Duda. disse...

Ótimo seu texto. Zélia Duncan não só nos mostra os clássicos, como nos apresenta o novo, de forma enriquecedora, apaixonada e intensa. Também virei fã, e tenho acompanhado o trabalho dela há uns dois anos.
Vc já viu os videos com o show de ZD no Sesc Pinheiros no Youtube?
Coloque em Busca/Search - Zélia Duncan Sesc Pinheiros. Fui aos três shows e achei emocionante!

Janete Cirtez disse...

Nilton...
Amei tudo o que escreveu. Também eu estou encantada com a Zélia e posso dizer até que sou a mais nova fã. Encontrei-a num show em Santo André, no final de março desse ano e estive dia 02/06 no Sesc. Apaixonante!
Convido-o a apreciar os dois poemas que fiz pra ela. Estão em meu blog. Diga-me, depois, o que achou.
Um grande abraço e parabéns!

Claudia disse...

Nilton, qndo terminei de ler seu relato, a minha vontade era de cair em mil lágrimas, pois vc espressa a verdadeira Zélia. Acompanho a carreira dela a muitos anos, desde o lançamento do CD "Acesso " sempre curti muito, mas nunca tinha me dado conta da importancia que Zélia tem minha na vida, até o exato momento que me deparei com ela na minha frente no dia 02 e 03/06 no Sesc Pinheiros, olhei bem nos olhos dela e disse " Zélia quero te ver com 90 anos cantando alma " Só ai percebi que quero estar sempre acompanhando ela onde quer que ela vá. Já fui em tantos shows que até já perdi as contas, participei da gravação do DVD no auditório, já fui em todos os SESC por onde ela passou. Zélia pode não saber que eu existo, mas eu tenho ela na minha vida todos os dias. È engraçado, tenho uma filha de 02 anos e qndo vamos passear de carro ela diz: " Mãe coloca a Zélia " ela canta as músicas comigo, e isso me deixa muito feliz, porque ela vai crescer ouvindo Zélia e vai se apaixonar tanto qnto eu. Zélia é simplesmente o meu código de acesso ao mundo musical.

Billie disse...

Oi e aí?!
Nilton v escreve muito bem...fala da Zélia de maneira bem intima...até parece que v já faz parte da vida dela há 25 anos...fiquei com inveja, da sua foto com ela...inveja do bem, tá.
Overdose de Zélia Duncan, gostei disso...
Um abraço, daquela que fica feliz em encontrar pessoas felizes de descobrir a super Zélia Duncan.
Ela é meu vicio, Nilton.

Dan disse...

Oi e aí?!
Nilton v escreve muito bem...fala da Zélia de maneira bem intima...até parece que v já faz parte da vida dela há 25 anos...fiquei com inveja, da sua foto com ela...inveja do bem, tá.
Overdose de Zélia Duncan, gostei disso...
Um abraço, daquela que fica feliz em encontrar pessoas felizes de descobrir a super Zélia Duncan.
Ela é meu vicio, Nilton.

Juliana Marciano disse...

nilton, parabéns pela sua sensibilidade. gostei muito do que escreveu porque também sou cúmplice dessa sua paixão por zélia duncan. se nossa vida tem trilha sonora, eu não tenho dúvidas de que a minha é duncaniana. felizes de nós, que a conhecemos. e felizes de novo, por ver e viver. um beijo!

Sarah disse...

Nilton, muito bom o seu texto!!! Traduz exatamente o que quem admira a Zélia sente!
Sofremos uma overdose de Zélia (muito bem vinda, por sinal!!!!) e cada vez queremos mais.
Enquanto lia seu relato, fui lembrando de como comecei a gostar dela. Começou com Catedral, Não Vá Ainda, Nos Lençóis Desse Reggae, etc.. conhecia as músicas, mas nunca tinha parado p/ ouvir. Em 2003, estava numa loja de música e me deu o click quando eu vi o cd Acesso, e pensei, vamos levar e ver no que vai dar.... rs... deu que depois desse, vieram mais 7 cd´s e 3 dvd´s e td quanto era video de participação e musica extra discografia, fora os shows....
A Zélia não é só música... é música, é idéia, é pensamento, é humildade (pq não é qq artista que desce do palco, se enfia no meio do público e aplaude a banda!), é emoção... enfim, é tudo de bom!!!!
E eu me transformo em outras, em muitas e sofro mutações cada vez que a ouço.... e as mudanças serão sempre bem vindas!
Bjos p/ vc!!!!

matoscarmo2005 disse...

Nossa, como uma pessoa consegue expressar suas idéias e o que sente, tão bem.
Parabéns e obrigada, o que você escreveu diz muito o que eu gostaria, amo a Zélia desde que ouvi CATEDRAL na, infelizmente extinta MUSICAL FM-A RÁDIO MPB-, em 1995.
Apesar do amor à primeira audição, nunca tive esta qualidade inata!

Fabiano Teles disse...

Estive presente na gravacao deste DVD e tb no lancamento e pude ver o afago q Zelia fez neste rapaz. O carinho com Zéliatrata os fas! Zélia é mesmo uma cantora q nos encanta pela presenca, simpatia, inteligencia e docura, eu entendo todo este encantamento q este rapaz sente por Zelia pq tb sinto a mesma coisa. Grande abraco e salve Zélia! :-)

Carolina disse...

Olá Nilton!!!
Amei o seu blog: perfeito, intenso e verdadeiro!!!
E emocionei-me muito com esse texto à respeito de nossa diva, identifiquei-me com a sua história.
A música de ZD está em mim, inserida em minha vida. Desdeo primeiro show... estou completamente mergulhada em seu trabalho e em sua obra, que quanto mais conheço, mais fico encantada.
Parabéns pelo blog!!!
Carol Marques

marianabernun disse...

Nilton adorei seu texto e concordo plenamente com cada palavra.Fui ao show de Zélia neste ultimo domingo 15/03/2009,e foi simplismente maravilhoso.
Defino essa cantora assim:Zélia Duncan = pessoa que com o dom das palavras toca os sentimentos e pensamentos mais profundos de um ser.

Mariana Bernun